segunda-feira, 23 de junho de 2008

Less is more... really?


Ficou faltando alguma coisa no show da Joss Stone, quinta passada no Pepsi on Stage. Não sei se energia, pois o público cantou junto e a surpreendeu por diversas vezes, não sei se empatia, apesar das crises de riso - que teve também em São Paulo - e das demonstrações de carinho da galera que atirou ursinhos e camisetas no palco (o melhor foi quando ela jogou no chão a camiseta do Inter, por causa das vaias).

Naquela uma hora e meia de show não fui convencida de que a voz poderosa que a consagrou seja tão poderosa assim. Talvez por ter backing vocals maravilhosos e cheios de carisma, que roubaram a cena com suas dancinhas - e me fariam pagar o preço do ingresso para vê-los cantar. Nem o lencinho no microfone, a la Janis Joplin - como bem lembrou a Pree - conseguiu invocar a vivacidade da malucona dos anos 60 e sacudir a performance da inglesinha pop.

Esperava mais... queria solos ensandecidos, músicas a capella, arranjos diferentes, novas versões para velhos - nem tão velhos assim - sucessos... enfim, minha expectativa era tão grande que acabei por me frustrar um pouco. Só lamento não ter entrado mais cedo para ver a abertura do Jair(zinho) Oliveira.

Foto: Bermúdez

2 comentários:

and disse...

QUANTO ERA O PREÇO DO CAMAROTE???
R$200?? HMMMMMMM
200 PAU PRA VER DE CAMAROTE ELA FAZER DE PANO DE CHAO A CAMISA DOS MORANGUINHOS????
POOORRAAA PODIA SER ATE GAGA
HAHAHAHAHHA

Nathi disse...

nem cantou understand...........